Rafa Nascimento

O futuro da Agilidade não é bonito

Posted in futuro by Rafa Nascimento on 30/10/2012

Concordo com o que Jurgen Appelo diz em seu post I don’t care about “Agile”.

Muitos fatos e experiências levam-me a crer que o Agile não tem um futuro necessariamente bonito. Embora a vontade, obviamente, seja oposta, é inegável o momento controverso pelo qual a filosofia passa. Compartilho abaixo alguns fatores que chamam a minha atenção e convido-os a uma reflexão.

  1. A figura mais emblemática rumo à adoção da agilidade e à mudança cultural necessária à agilidade, o Scrum Master, é um papel cada vez menos requisitado nas empresas. No ano de 2011, uma média de 8 a 10 anúncios de emprego buscando um Scrum Master eram encontrados para a cidade do Rio de Janeiro. Hoje, nenhum é encontrado. Muitos Scrum Masters que emergiram, emergiram de vontade de ver um novo ambiente de trabalho. Poucos têm o preparo necessário para exercer o papel, que, hoje, é mesclado por muitas empresas ao cargo de desenvolvedor, ao papel de líder técnico ou até mesmo ao papel do gerente de projetos. “Mas o Scrum Master é um papel!”, muitos dirão. Sim. Segundo o PMBoK, o Gerente de Projetos também.
  2. Não houve e nem está havendo uma mudança substancial na disciplina de gerenciamento de projetos, documentada hoje em dia pelo PMI. Muitos anúncios buscando gerentes de projetos que citam os métodos ágeis passam a impressão de que o conhecimento requerido é um “backup” para o caso de aparecerem projetos que fujam aos tradicionais, guiados pelo RUP. Resta a esperança de que gerentes de projetos tradicionais incorporem os princípios ágeis e que os líderes ágeis compreendam que o conhecimento sobre gerenciamento de projetos só tem a acrescentar ao trabalho. E resta a esperança de que a nova versão do PMBoK traga uma mudança substancial na disciplina considerando-se a gestão ágil, e não apenas citações.
  3. Uma sensação de final de “oba-oba” paira no ar. O Scrum foi inegavelmente o framework ágil de maior sucesso que apareceu, o método Kanban, até então, não tem mostrado grandes resultados e nenhum dos frameworks ágeis, nem mesmo o XP, pelas experiências que tive até hoje, conseguem manter as pessoas imbuídas em manter o processo funcionando minimamente bem. No mínimo respeitando os princípios do Agile e do Lean. Isso se deve a uma adoção mecanizada dos processos e a ausência de um trabalho de mudança cultural, que é muito mais complexo e demorado. Fica a impressão de modismo. A impressão de que a agilidade não vai ultrapassar a barreira da novidade. Vale lembrar que, apesar de a filosofia ágil ter mais de 10 anos, somente entre 2006 e 2008 ela começou a adentrar grandes empresas.
  4. Muitas empresas que adotaram a agilidade, hoje, estão tendo uma “recaída”de comando-controle, basicamente, por expectativas de produtividade não atendidas. Mais uma vez, fruto da falta de mudança profunda na cultura, que faz aferir a produtividade da mesma forma como aferia-se antes da “mudança” e da subestimação do fator humano no ambiente de trabalho. Além disso, empresas famosas por seus ambientes favoráveis aos profissionais da informação e criação, como a Google e o Facebook, evitam afirmar que utilizam métodos ágeis.
  5. A crença de que a filosofia ágil é algum método milagroso que transforma todas as pessoas que são tocadas em pessoas altamente comprometidas. É fato que a atenção ao fator humano na agilidade é imensamente maior, mas pessoas que não são comprometidas com as metas da empresa estão por toda a parte. Apesar da agilidade tratar essas pessoas de forma diferenciada, com compaixão e buscando encontrar a melhor equipe e projeto para elas, em certos casos não há solução que não a dispensa do profissional. Nem sempre há final feliz. E profissionais “espertos” e imaturos existem em qualquer lugar.
  6. Foco exagerado no processo e baixo na gestão do ambiente de trabalho. Uma das formas mais efetivas de provocar uma mudança cultural é mudar o próprio ambiente de trabalho e fazê-lo fluir “no sangue”. E exemplos não faltam: Google, Microsoft, Facebook, Philips. Na minha opinião, a parte mais efetiva de uma mudança concreta rumo aos princípios do Agile e do Lean é a mudança do ambiente de trabalho e a sua adequação ao trabalho com a informação e criatividade. E mais do que fazer a transformação: garantir que as novidades são úteis e são utilizadas pelos profissionais. Cansei de ver videogames e salas de descompressão “espetaculares” disponíveis aos profissionais que são vigiadas ou só podem ser usadas fora do horário do expediente. Acreditar que as mudanças podem gerar aumento de produtividade e incentivar o funcionamento de todas as iniciativas de ambiente. Se o foco estiver todo no processo, há grandes chances de ser só mais um processo que foi experimentado pela empresa.
  7. Negligência ao histórico dos times. A filosofia ágil é baseada em experimentação. E não há experimentação se não há estado anterior e estado atual. Métricas de performance são importantes para que as ações de melhoria contínua possam ter chance de ser efetivas. Métricas de satisfação do cliente são importantes para garantir que o planejamento dos esforços está apontando para a melhor direção possível.

Enfim, se continuarmos ignorando estes e outros fatores que, talvez, nem eu perceba, definitivamente há grandes chances de a filosofia ágil ser só mais uma moda. Assim como a Qualidade Total e a mais recente Re-Engenharia.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: